Consulta Aqui | Engordei na quarentena, e agora?

Engordei na quarentena, e agora?

Engordei na quarentena, e agora?

Por causa do isolamento social, as pessoas passaram a ficar mais tempo em casa e, consequentemente, a ingerir maior quantidade de alimentos e calorias. Associado a academias e parques fechados, o resultado para muitos culminou em ganho de peso. “Tanto o isolamento, quanto as incertezas relacionadas ao futuro, levaram ao aumento da ansiedade da população em geral. Tal ansiedade tende a ser amenizada pelo consumo de alimentos mais calóricos e reconfortantes e, por isso, houve uma tendência ao ganho de peso”, explica a Dra. Telma Sígolo, nutróloga do Consulta Aqui.

Agora, com o início da flexibilização do isolamento, deve-se focar na perda desses quilos extras, contudo, sem dietas “mirabolantes” e que podem comprometer a saúde. “O emagrecimento é uma equação de soma e subtração, ou seja, consumir menos e gastar mais calorias. Portanto, devemos diminuir a quantidade de alimentos em todas as refeições, sem adoção de dietas muito restritivas e difíceis de seguir a longo prazo”, diz a nutróloga.

O ideal é evitar alimentos ultraprocessados e refinados, de alta concentração calórica e baixo valor nutricional tais como salgadinhos, refrigerantes, sucos, chás industrializados e doces ricos em gorduras e açúcares. Em contrapartida, deve-se aumentar o consumo de alimentos integrais, ricos em fibras, como legumes, frutas, verduras e grãos. Carnes magras, feijões, ervilhas e lentilhas também são recomendados por conterem alta concentração de proteína. O consumo de pelo menos uma classe de legumes, frutas e verduras em todas as refeições também trará bons resultados.

A Dra. Telma enumera algumas dicas de alimentação balanceada:

• Folhas e legumes devem ocupar metade do prato e serem variadas entre as refeições;
• A outra metade do prato deve ser ocupada por grãos, leguminosas e proteína magra;
• Quanto mais cores no prato, mais rica nutricionalmente será a refeição;
• Não coma só alface, tomate e cenoura. Dê uma chance às outras hortaliças;
• A clássica combinação de arroz e feijão é rica em proteínas, carboidratos bons, vitaminas e minerais;
• Os veganos e vegetarianos devem aumentar a porção de leguminosas em substituição à carne, garantindo aporte proteico adequado.
Todas essas providências devem ser acompanhadas de atividade física regular e, vale lembrar, as dúvidas em relação a alimentação precisam ser esclarecidas em consultas de rotina com nutrólogo e/ou nutricionista, com o objetivo de identificar carências nutricionais e propostas individualizadas de acompanhamento. Ademais, sempre que o ganho de peso vier associado a doenças como hipertensão, diabetes, dislipidemias e outras, a avaliação com esse profissional se torna completamente indispensável para a reversão dessas enfermidades e complicações a longo prazo.

“No mais, a reeducação alimentar é um processo que foca basicamente em modificações de hábitos de vida a médio e longo prazos. Assim, a opção por dietas da moda ou muito restritivas podem ser difíceis de serem seguidas por períodos mais prolongados e essa condição está diretamente relacionada a reganho de peso e ineficácia de tais estratégias após determinado período. Tenha bons hábitos como prioridade para a vida pessoal, com o entendimento de que grandes mudanças começam com o primeiro passo”, conclui a Dra. Sigolo.

Fonte: MCAtrês