Consulta Aqui | Dores de cabeça podem estar relacionadas com a alimentação.

Dores de cabeça podem estar relacionadas com a alimentação.

Dores de cabeça podem estar relacionadas com a alimentação.

A relação entre alimentos e dores de cabeça está intimamente relacionada à integridade do trato gastrointestinal e toda a comunidade de microrganismos que nele residem. Um intestino saudável trabalha a favor do metabolismo humano, da mesma forma que um intestino doente pode ser um dos principais componentes do desenvolvimento de várias doenças crônicas. A dor de cabeça, frequente, pode ser um dos principais sintomas desse desequilíbrio.

“Não é incomum a pessoa sentir dor de cabeça após as refeições. Esse fato deve-se tanto à dificuldade de digestão de determinados alimentos mais pesados, ricos em gordura e proteínas de origem animal, quanto ao metabolismo direto da glicose, onde o consumo excessivo pode levar a hipoglicemia após as refeições”, explica a Dra. Telma Sigolo, nutróloga do Consulta Aqui.

Alguns alimentos têm maior probabilidade de causar dores de cabeça do tipo enxaqueca, tais como os ricos em cafeína (café, chá mate, chá preto, chá verde), chocolates, adoçantes, queijos, alimentos com conservantes, vinhos e outros tipos de bebidas alcoólicas.” O consumo excessivo de sal está diretamente relacionado ao aumento da pressão arterial, situação em que o sintoma mais comum é a dor de cabeça”, lembra a médica.

Já a sensação de dor de cabeça após o consumo de alimentos muito gelados se deve ao acionamento dos gânglios nervosos da face estimulados pela percepção de temperaturas mais baixas. Pode causar também hipersensibilidade nas raízes dentárias.

Os alérgicos e celíacos devem redobrar a atenção aos sintomas da cefaleia por alimentação. Devido à dificuldade de digestão da lactose e do glúten, esse grupo tende a desencadear um acúmulo de resíduos alimentares não absorvidos que, em excesso, podem ter potencial inflamatório sistêmico.

Um diário alimentar correlacionado com os sintomas apresentados após a ingestão de determinados alimentos é uma boa dica aos pacientes que apresentam dores de cabeça frequentes para assim, identificar as intolerâncias alimentares.

É importante ressaltar que cada indivíduo e cada organismo funcionam de formas distintas, de maneira que se torna fundamental a avaliação clínica e laboratorial para diagnóstico e acompanhamento das diversas condições que se apresentam pela relação entre alimentação e qualidade de vida. Nesse processo, se faz importante a atuação de um especialista como o nutrólogo.

“De maneira geral, a melhor forma de evitar intolerâncias e alergias alimentares, e todos os desconfortos relacionados a essas condições, é diminuir ao máximo o consumo de produtos industrializados, refrigerantes, doces, embutidos e enlatados. O aumento do consumo de legumes, frutas, verduras, leguminosas, oleaginosas e outros alimentos ricos em fibras e gorduras boas auxilia na melhora da saúde intestinal e do indivíduo como um todo”, finaliza a Dra. Telma.

Fonte: MCAtrês