Consulta Aqui | Desmistificando o tabu da disfunção erétil.

Desmistificando o tabu da disfunção erétil.

Desmistificando o tabu da disfunção erétil.

A DSE (Disfunção Sexual Erétil) ou, popularmente, impotência sexual, se apresenta como uma perda de qualidade na ereção, maior flacidez peniana e dificuldade de penetração. Também há casos de ereção mantida por menor tempo e sem ejaculação e orgasmo.

Apesar de não existirem estimativas exatas, atinge uma parcela significativa dos homens e ainda é tratado como tabu, motivo esse da procura tardia de um especialista. “A consulta e conversa franca com o urologista é a principal arma de análise. Através do diálogo e histórico médico do paciente, se estabelece o diagnóstico com precisão”, explica o Dr. Rodrigo Wilson Andrade, médico urologista do Consulta Aqui (Grupo HAS).

Basicamente, a subdivisão mais comum da DSE é a orgânica, onde as principais causas são idade, tabagismo, sedentarismo, diabetes, hipertensão, alcoolismo e doenças crônicas graves, como insuficiência cardíaca, insuficiência hepática e insuficiência renal grave.

Os exames diagnósticos são voltados principalmente às doenças clínicas que causaram a DSE, pois, eventualmente, os pacientes desconhecem ter problemas de saúde como diabetes, hipertensão e outros. Há casos em que a negligência no acompanhamento dessas condições também favorece a doença. “Exames específicos da região peniana não são indicados na investigação de DSE. Ademais, se o médico desconfiar que a causa é emocional, a associação ao tratamento de acompanhamento com psicólogo ou terapeuta sexual se fará necessário”, diz o Dr. Wilson.

Uma vez diagnosticado, o tratamento é medicamentoso, visando apenas a manutenção da ereção. Por se tratar de uma doença crônica, ele não reverte nem trata de maneira definitiva o problema. “Há também tratamentos menos comuns, como as injeções penianas intracavernosas e os implantes de prótese peniana, porém, essas opções devem ser discutidas caso a caso com o médico”, afirma o urologista.

A prevenção, como na maioria das doenças, se faz importante para que o paciente não venha a sofrer de DSE. Hábitos de vida saudáveis, alimentação equilibrada e exercícios físicos, evitar o tabagismo e a obesidade, controlar a diabetes e a hipertensão são medidas importantes para tal. Em resumo, o mesmo estilo de vida que protege contra infarto, doença coronariana e AVC também protege contra a Disfunção Sexual Erétil.

Outra grande dúvida masculina gira em torno da relação entre o câncer de próstata e a DSE. O Dr. explica que a doença não causa impotência. O que pode acontecer, entre 20% e 30% dos casos, é a cirurgia prostatectomia radical, utilizada no tratamento, causar tal disfunção. Contudo, nesses casos, existe um período de seis meses a um ano em que o paciente pode recuperar parte da ereção. Somente após um ano pode-se estabelecer com exatidão se houve e, caso positivo, o grau da DSE. Em grande parte, não é necessária a utilização de remédios e o homem terá uma vida sexual normal.

“No mais, desconfiando estar sofrendo de DSE, deixe o tabu de lado e não hesite em procurar ajuda médica. Como já dito, a doença pode estar relacionada com alguma outra, como diabetes, por exemplo, e a abordagem se dará de forma segura e eficaz. Importante também, para o êxito do tratamento, é a rapidez em que o paciente procura o especialista. A exemplo de muitas outras doenças, o controle será mais efetivo nas fases iniciais da patologia”, finaliza o Dr. Andrade.

Fonte: MCAtrês