Consulta Aqui | A importância do pré-natal já no início da gestação.

A importância do pré-natal já no início da gestação.

A importância do pré-natal já no início da gestação.

O pré-natal é o acompanhamento médico da mulher durante a gestação. Nele, o médico esclarecerá as dúvidas da futura mamãe sobre a gravidez e sobre o parto, assim como pedir exames para verificar se a gestação evolui de forma normal e saudável.

“A realização do pré-natal representa papel fundamental na prevenção e/ou detecção precoce de patologias tanto maternas como fetais, permitindo um desenvolvimento saudável do bebê e reduzindo os riscos da gestante”, explica o Dr. Fabio Broner, médico ginecologista do Consulta Aqui – Grupo HAS.

A gestação se divide em três etapas: primeiro, segundo e terceiro trimestre. Na primeira etapa é muito comum náusea e vômito, dor de estômago, insônia, falta de apetite e perda de peso. Nessa etapa é imprescindível iniciar o acompanhamento com o ginecologista. Já na segunda, a gestante começa a ganhar peso, pode ter câimbras, começa a notar a movimentação do bebê e é possível saber o sexo. Na terceira e última pode haver cansaço, contrações, falta de ar, inchaço nos pés, queimação, refluxo, dor lombar e dor nas costelas. Contudo, cada gestação é diferente e, portanto, os sintomas podem variar e até nem aparecerem.

“É de extrema importância que a gestante procure o ginecologista já no início da gestação. Isso porque a realização do pré-natal tem papel fundamental na saúde da mãe e do bebê em todo esse processo”, avalia o Dr. Fabio.

Outra dúvida muito recorrente em gestantes é a escolha entre o parto normal ou através de cesariana, que é um procedimento cirúrgico para a extração do bebê por via abdominal, através da realização de um pequeno corte realizado acima do púbis da mãe.

O Dr. Broner explica que hoje em dia a gestante pode manifestar seu desejo entre os dois tipos, porém, cada gestação é diferente uma da outra e podem ocorrer casos em que um dos partos seja mais indicado. “Existem vantagens e desvantagens para cada um dos partos. No parto normal a paciente tem menor risco infeccioso, mas pode ser mais dolorido e demorado, pois, é o bebê quem determina a hora do nascimento. Já na cesárea, a gestante pode estabelecer a hora do parto, contudo, há maior sangramento, cicatriz e a dor posterior à realização”.

No mais, a gestação é um estado que inspira cuidados médicos. A procura de um ginecologista capacitado é um fator tanto de segurança, como de conforto para a mãe, o bebê e os demais envolvidos, como o pai e o restante da família. Os cuidados desse profissional se estendem antes, durante e após a gravidez. “Também é muito importante acompanhar o pós-parto, seja ele cesárea ou natural. Instruir a mãe a caminhar, beber bastante água, comer de forma saudável, higienizar os pontos no caso de cesárea e fazer o aleitamento materno estão entre as atribuições do ginecologista”, finaliza o médico do Consulta Aqui.

Fonte: Mcatrês