Distúrbio na glândula tireoide ou estresse cotidiano?

Distúrbio na glândula tireoide ou estresse cotidiano?

Os sinais de distúrbio na tireoide não são tão fáceis de serem identificados, pois são muito semelhantes com o estresse do dia a dia, então, como discerni-los?

Cansaço, depressão, ansiedade, insônia, são alguns dos sintomas, que acontecem no dia a dia, mas que podem ser sinais de distúrbio na tireoide: “Quando o funcionamento da tireoide se encontra alterado, esta glândula pode estar funcionando pouco, o que causa o hipotireoidismo (a doença mais comum da tireoide, sendo oito vezes mais frequente em mulheres que homens), ou, se estiver funcionando de forma excessiva, o hipertireoidismo”, diz Dra. Nathalia Morales de Camargo, endocrinologista do Consulta Aqui.

No hipotireoidismo, os sintomas mais comuns são: cansaço, intolerância ao frio, dispneia (falta de ar), ganho de peso, alteração da memória e do raciocínio, constipação intestinal, depressão, irregularidade menstrual, falta de libido, queda de cabelo e mialgia (dor no corpo). Já no hipertireoidismo são: intolerância ao calor/sudorese, fraqueza, palpitação, ansiedade, irritabilidade, insônia, perda de peso, queda de cabelo e alteração no ciclo menstrual.  Em ambos os casos, existem alguns sintomas gerais, facilmente confundidos com o estresse físico e mental, comuns em nosso cotidiano, como alterações de humor, cansaço, alterações no sono, mudanças no peso, desconfortos intestinais, dentre outros.

Deve-se ter atenção quando essas manifestações forem persistentes, pois pode ser um prenúncio de alterações na glândula, portanto é necessário procurar um endocrinologista o mais breve possível para tratamento adequado.  “No hipotireoidismo, o diagnóstico é feito em exame de sangue dosando TSH e T4 Livre, e o tratamento é realizado com uso continuo de hormônio da Tireoide (Levotiroxina) e o não seguimento, acarreta os sintomas acima citados e em casos graves até coma. No hipertireoidismo, o diagnóstico também é realizado com exames laboratoriais (TSH, T4 livre e TRAB são os principais) e Ultrassom de Tireoide, o tratamento pode ser realizado com medicação (na maioria dos casos), iodoterapia ou cirurgia. Não tratar de forma adequada, pode causar além dos sintomas acima citados, arritmia e osteoporose”, complementa Dra. Nathalia.

Portanto, as pessoas devem ficar alertas com o que o corpo está sinalizando.

Fonte: MCAtrês